Ter um pet não significa que você não pode viajar, mesmo que não tenha com quem deixá-lo. A maioria das pessoas passa por esse problema, já que, caso deixem o animalzinho de estimação em casa ou na casa de conhecidos, acabam por viajar preocupadas com ele. Os hoteizinhos de animais também são uma opção, porém cobram um valor um tanto salgado por dia e não eliminam o sofrimento do bichinho, que sente falta das pessoas com quem convive. Entendendo a questão, as companhias aéreas permitem que você leve o seu pet para viajar com você dentro da aeronave, mas algumas regras precisam ser observadas. Isso é válido tanto para ele quanto para você e para os outros passageiros. Afinal, nem todo mundo se sente confortável na presença de animais, certo?

Os animais de estimação se encaixam na categoria “cargas vivas”. Essa categoria possui vagas limitadas e é preciso que você informe com antecedência que quer levar um animal de estimação na viagem. Você precisa informar o peso e o porte do animal, para que assim a companhia possa calcular o valor adicional que você pagará pelo transporte do animal, já que peso e porte são os principais critérios para definição desse valor. É importante lembrar que você deverá providenciar a caixa de transporte que servirá como “casinha” durante a viagem. Ela garante que o seu pet não fugirá e não causará nenhum descontrole dentro da aeronave ou nas mãos dos funcionários. Esta caixa não pode ser pequena demais, tendo tamanho o suficiente para que o animal se levante e gire 360º com tranquilidade. O piso deve ter poder de absorção – para que fezes e urina não vazem – e o material do qual é feita deve ser resistente para garantir a segurança do animal em caso de impacto (evite caixas de pano ou similares).

O conforto dos pets é uma preocupação real das companhias

Cada companhia possui regras específicas para o transporte de animais e às vezes vale escolher aquela que te dá mais opções. Por exemplo, a Latam permite que você transporte um cão de pequeno porte ou um gato na cabine. Os animais que vão no compartimento de carga devem seguir trancados em suas caixas. O ambiente é climatizado e pressurizado para evitar que os animaizinhos sintam-se sufocados ou incomodados com a temperatura.

Outro fator importante é sobre o uso de focinheira. Algumas companhias o exigem para animais de grande porte ou para aqueles que forem mais agressivos. É importante também lembrar que as companhias aéreas não transportam cães da raça pitbull ou pug devido ao fato de passarem mal ou correrem o risco de sofrer danos à saúde decorrentes do seu focinho curto, que se adapta mal a mudanças de altitude.
Para transportar o seu pet com segurança, informe-se a respeito dos documentos solicitados pela companhia com a qual você vai viajar. Já adiantamos que é necessário que ele esteja vacinado e que tenha todos os comprovantes de vacinação, uma autorização fitossanitária que será adquirida no próprio aeroporto e outros documentos específicos que podem ser solicitados pela companhia. A respeito de animais de serviço, como cães-guia, podem viajar junto com o dono na cabine e terão assento na primeira fileira, dispensado o uso de focinheira.